1. LG K52 — Acessível com bom conjunto
  2. Redmi 9 — O melhor para jogos
  3. Samsung Galaxy A11 — Sucessor do campeão de vendas
  4. ASUS Zenfone Shot Plus — Opção interessante com MicroSD incluso
  5. Samsung Galaxy A22 — boa autonomia de bateria e suporte

Samsung Galaxy A22


O Galaxy A22 é mais uma aposta da Samsung em celulares acessíveis com tela de 90 Hz, boa bateria e muitas câmeras. O modelo que testamos é a versão 4G lançada recentemente no Brasil, mas ele também pode ser encontrado em variante 5G com hardware diferente.

O A22 se diferencia dos demais da linha A 2021 no design. Este aqui ainda aposta no bloco de câmeras estilo cooktop, o que faz com que ele se pareça mais com modelos da linha Galaxy M. Ele chega em quatro opções de cores: preto, verde, violeta e branco. A parte frontal é muito parecida com vários outros celulares da Samsung e pode até confundir na hora da compra.

Esse celular da Samsung vem com tela de 6,4 polegadas com resolução HD+, painel Super AMOLED e taxa de 90 Hz para fluidez superior com as animações do sistema. A sua tela é boa para a categoria com bom nível de brilho. O seu áudio mono tem boa potência sonora, mas acaba distorcendo no máximo com agudos muito estridentes. Os médios e graves estão mais equilibrados.

O desempenho fica por conta da plataforma Helio G80 da MediaTek, também presente em outros modelos da linha M e A da Samsung. Isso aliado a 4 GB de RAM deveria garantir um bom desempenho multitarefas, mas o software do A22 não é dos mais otimizados. Ele também não tem força para rodar jogos a 90 fps e até mesmo sofre em fluidez com games mais exigentes na qualidade gráfica máxima.

O A22 é mais um de vários celulares da Samsung com bateria de 5.000 mAh. Ele é capaz de entregar autonomia com folga para um dia inteiro de uso e ainda sobra um pouco de carga para a manhã seguinte. O tempo de recarga poderia ser melhor. A Samsung manda um carregador de apenas 15W na caixa que leva mais de 2 horas para fazer a bateria chegar a 100%.

As câmeras são praticamente as mesma do Galaxy A21s. Ele é capaz de registrar boas fotos de dia e não sofre em locais escuros. Há modo noturno que ajuda a clarear as imagens sem comprometê-las com excesso de ruídos. A frontal mostra uma evolução superior graças ao melhor pós-processamento, mas não espere boas selfies em ambientes muito escuros. Enquanto a filmadora continua sem gravar em 4K.

LG K52

A LG vem renovando a sua linha de entrada com frequência constante e o mais acessível da nova geração é o K52, sendo este o sucessor do K41s e não do K51s como alguns podem pensar. Se você busca um bom celular por menos de R$ 1 mil, então é esse da LG que deve escolher.

Ele seria a melhor alternativa mais barata ao Moto G9 Play que listamos como a melhor compra por menos de R$ 1.200. O K52 entrega desempenho próximo ao modelo da Motorola e também tem boas câmeras. Só fica faltando um modo noturno para salvar as fotos da escuridão. Sua bateria dura mais de um dia e não demora tanto quanto outros da nossa lista para recarregar.

A parte mais curiosa é que o desempenho vem caindo a cada lançamento da empresa. A culpa pode estar na sua interface que está cada vez mais pesada e parecida com a One UI da Samsung. A boa notícia é que o K52 chega com Android 10, enquanto o seu antecessor ainda está preso ao Pie. 

A bateria, por outro lado, teve aumento de autonomia por mais que continue com os mesmos 4.000 mAh de antes. Talvez a LG tenha otimizado o software para economizar energia e com isso o desempenho foi sacrificado. Porém, o tempo de recarga aumentou, mesmo que o carregador seja o mesmo. 

As câmeras continuam registrando boas fotos e temos o mesmo conjunto de sempre com direito a câmera ultra-wide, uma dedicada para macro e outra para desfoque de cenários. Já está na hora da LG incluir um modo noturno em seus celulares mais baratos para competir com os lançamentos recentes da Motorola que manda bem em fotos à noite. 

Samsung Galaxy A11


Cansou do design convencional dos celulares de entrada? O Galaxy A11 é a aposta mais recente da Samsung entre os baratinhos e traz furo na tela para câmera de selfie, como vemos em celulares mais caros, custando em média R$ 1 mil. Ele é o sucessor direto do Galaxy A10 — que foi o Android mais vendido em 2019 — e traz diversas melhorias.

O desempenho está muito melhor do que antes, mas não chega a superar o K50s. As câmeras também sofreram uma boa evolução comparado ao A10. A bateria entrega boa autonomia e não demora tanto para recarregar como acontece com a maioria dos celulares de entrada. Porém, poderia ter tecnologias mais atuais como Wi-Fi 5 GHz ou Bluetooth 5.0.

O Galaxy A10 ainda segue entre os 10 celulares mais buscados mensalmente no TudoCelular. O basicão da Samsung fez tanto sucesso que ele ficou entre os mais vendidos de 2019. Será que o seu sucessor fará o mesmo sucesso?

O A11 vem com design repaginado e pequenas melhorias, mas ainda peca por deixar tecnologias essenciais de fora. Samsung vem adotando o entalhe em formato de furo em toda a sua linha e até mesmo o mais simples foi incluso na mudança.

Enquanto algumas marcas apostam em hardware da MediaTek, aqui temos o Snapdragon 450. Este chip é antigo e vimos desde modelos como o Galaxy J8 lá em 2018. Pelo menos entrega desempenho melhor que os basicões anteriores da Samsung.

O A11 tem boa bateria, mas nada a ponto de ser um G Power da vida. A boa notícia é que Samsung finalmente vem incluindo carregadores melhores em seus celulares mais baratos e não temos que esperar várias horas para ter a bateria recarregada.

Agora com três câmeras na traseira temos um conjunto mais completo com direito a lente grande-angular. Mas não se empolgue muito, o A11 entrega qualidade fotográfica similar ao A10s.

No geral temos pequenos avanços que ainda comprometem o custo-benefício devido ao salgado valor de R$ 1.699 de lançamento. Claro que é possível encontrar opções mais interessantes, como até mesmo o A21s que custa pouco a mais. Para saber todos os detalhes do A11 e quais opções melhores na mesma faixa de preço

ASUS Zenfone Shot Plus

Lançado recentemente no Brasil como uma variante do já conhecido Zenfone Max Shot, o Zenfone Shot Plus é uma opção que vale a pena ficar de olho se você quer um pouco mais de armazenamento, graças a oferta de um cartão MicroSD já dentro da caixa.

Ok, sabemos que o ideal é vermos o armazenamento ser o máximo possível interno, mas considerando a faixa de preço em que ele se encontra, é uma solução mais positiva vermos um aparelho com 64 GB combinado com um MicroSD de igual tamanho, totalizando 128 GB, sem precisar realizar uma compra extra.

Vale lembrar que no geral, o aparelho é o mesmo ASUS Zenfone Max Shot, ou seja, traz uma tela Full HD+ com notch, SoC Snapdragon SiP1 e no presente momento, uma opção com 64 GB + 64 GB por menos de R$ 1.000.

Fontes: www.tudocelular.com