Comprar um novo servidor para a empresa sempre exige cuidados. Riscos como gastar muito e ter um equipamento superdimensionado ou mesmo economizar e ter uma máquina obsoleta rapidamente sempre assombra nossa cabeça.

Por que os processadores Xeon custam mais caros que os Intel Core de mesma performance?

Além das dúvidas relacionadas ao tamanho do investimento, outras questões como o tempo de vida útil, diferenças técnicas, vantagens de cada plataforma e compatibilidade com diversos sistemas pedem para o administrador de TI analisar com mais profundidade esse assunto.


O que é uma CPU Xeon?


Xeon é a linha de CPUs da Intel voltada principalmente para servidores corporativos e estações de trabalho. Essas CPUs normalmente oferecem mais núcleos e threads do que os processadores que equipam PCs convencionais, mas as velocidades de clock são próximas dos processadores Core i7 e i9.

Atualmente os processadores Xeon possuem quatro famílias distintas, classificadas por letras: E (Entry Level), W (Workstations), D (datacenter) e os Xeon Scalable (plataforma escalável).

O que são processadores da linha Core?


Intel Core é a linha de processadores voltados para o mercado consumidor, que geralmente equipam notebooks, PCs de uso doméstico e estações de trabalho para pequenas e médias empresas.

Por sua vez, a família de CPUs Core possui processadores denominados pelos codinomes i3, i5, i7 e i9. Esses processadores atendem inúmeros mercados, incluindo computadores pessoais, notebooks, workstations e PCs para gamers.

Tanto a linha de processadores Core quanto as CPU Xeon possuem produtos que atingem a mesma frequência máxima, atualmente limitada em 5,30 GHz de velocidade.

Quais as diferenças entre os processadores Xeon ou Core?


Apesar das informações técnicas num primeiro momento parecem similares, não se engane: A Intel deixa muito claro que seus processadores da família Core são para uso em computadores pessoais e a linha Xeon são CPUs voltadas para servidores.




Alguns fatos que reforçam esse direcionamento:

1. Os processadores Xeons geralmente possuem mais núcleos de processamento do que seus pares da linha Core. Isso significa melhor performance em aplicações que suportam multi-tarefa, com a virtualização e ambientes exigentes em HPC (High Performance Computing).

- Cada núcleo adicional pode ser equiparado a outro processador físico, encapsulado no mesmo chip. Essas versões de processadores partem de quatro, vão até 28 núcleos e são perfeitos para softwares que suportam recursos multi-thread, como sistemas de virtualização.

2. Os chips Intel Xeon possuem controladores de memória integrado, E/S direta de dados, integração para malhas de alta disponibilidade e podem ser adaptados especificamente de acordo com a carga de trabalho.

3. Os processadores Xeon têm recursos para otimização do uso de energia e suporte a memórias do tipo ECC como padrão, consumindo muito menos que seus pares Core.

- Ter memórias ECC no sistema significa que você pode confiar mais na entrega das tarefas sem a possibilidade de erros. Em algumas situações, como o processamento de streaming de áudio ou vídeo, isso é irrelevante. Porém, na maioria dos aplicativos executados no ambiente corporativo essa característica é muito importante.

4. As faixas de bus QPI Xeon são mais largas para suportar a integração de vários servidores multi-processados, enquanto as placas-mãe dos PCs (desktops / laptops) da família Core raramente são multi-soquetes.


5. A distribuição de cache por núcleo sempre é mais generosa com os Xeons. Além disso, o tamanho máximo da memória endereçável para o Xeon pode atingir 1,50 TB, enquanto o Core i7/i9 para em 128 GB.

6. Os processadores Xeon permitem mais conexões PCIe diretas por CPU para conexão de dispositivos e periféricos que a família Core, como adaptadores de rede, GPUs e coprocessadores.


Fontes: www.controle.net