O Moto G60 chegou essa semana ao mercado brasileiro, mas se ele está além do seu orçamento, então talvez fique interessado no Moto G30, o mais recente intermediário da Motorola que traz como destaque tela de 90 Hz.

O design não segue o mesmo do G10 com visual estilo ondas. Aqui temos algo mais liso com acabamento fosco. Os dois são do mesmo tamanho e praticamente idênticos de frente com o entalhe em formato de gota.

Como dito antes, o destaque do G30 está na sua tela de 90 Hz, sendo uma ótima pedida para quem busca maior fluidez sem pagar caro. O problema é que o hardware não tem força suficiente para entregar 90 fps em todos os jogos. O brilho baixo da tela também é um grande ponto negativo, apesar de a imagem ter ótimo contraste e cores. O som mono também decepciona na experiência multimídia.



O desempenho multitarefas também não empolga e este é um problema frequente em celulares da Motorola mesmo com muita quantidade de RAM. O G30 consegue rodar bem games casuais e poucos passam dos 60 fps. Não espere por jogos mais pesados rodando na qualidade máxima.

A bateria do Moto G30 dura bem, mesmo com a tela em modo 90 Hz. Isso é bom, pois você não terá que abrir mão da fluidez extra se quiser ter carga para o dia todo. O tempo de recarga não é dos melhores e leva 2 horas e meia para ir 0 a 100%, mesmo que venha com carregador de 20W.

O G30 tem boa câmera para fotografar de dia e seu modo noturno tende a exagerar na exposição para deixar as fotos claras à noite, mas no fim terá imagens com muitos ruídos. As demais câmeras são as mesmas do Moto G10 e entregam resultados igualmente limitados.

Vale a pena comprar o Moto G30 apenas pela tela de 90 Hz ou tem opções melhores? Isso você confere em nossa análise completa pelo link abaixo.
G10 e G30 são bastante parecidos. Eles possuem o mesmo tamanho, peso e entalhe em formato de gota para a câmera de selfies. O que ajuda a diferenciar os novos celulares da Motorola é o acabamento traseiro. O mais barato tem traseira de plástico fosco em padrão de pequenas ondas, enquanto o mais caro tem traseira lisa, mas com o mesmo toque acetinado do G10. O G30 chegou ao mercado nacional em duas opções de cores: branca com toque de lilás e preta com toque de verde.




O conjunto de câmera lembra o do G10, tanto em tamanho, quantidade de câmeras e posição na traseira. O leitor biométrico fica próximo, integrado ao logo da Motorola, ele funciona bem, mas poderia ser mais ágil.

Na lateral direita do G30 encontramos o botão de energia, controle de volume e um dedicado para o Google Assistente. Do lado oposto há apenas a gaveta híbrida do Sim Card e microSD, enquanto no topo temos a entrada para fones de ouvido. Na parte inferior há a entrada USB-C, alto-falante e o microfone de chamadas.

É basicamente isso, nada de design requintado com bordas fininhas, proteção avançada contra água ou mesmo um segundo alto-falante para som estéreo. O Moto G30 também não vem com NFC, mas traz o básico como Wi-Fi 5 GHz e giroscópio.
Talvez o maior destaque do Moto G30 seja a sua tela de 90 Hz, sendo o mais barato da Motorola com painel deste tipo. O lado ruim é que o brilho é tão baixo quanto o do Moto G10. Usar o G30 fora de casa será um desafio nos dias mais ensolarados, mas pelo menos o contraste é excelente e entrega cores mais vivas e preto mais profundo que qualquer celular de entrada com tela LCD.

Há três opções de velocidade para a tela: você pode travar o painel em 60 ou 90 Hz, como também usar o modo automático. Neste modo, o G30 vai subir a velocidade para 90 Hz apenas quando você toca na tela, mantendo o display em 60 Hz a maior parte do tempo para ajudar a economizar bateria.

A experiência multimídia fica limitada pelo som mono. A Motorola já chegou a investir em celulares com som estéreo nesta faixa de preço, mas parece que decidiu economizar nas últimas gerações da linha Moto G.

Com isso em mente, saiba que o G30 faz apenas o básico na parte sonora. A potência é mediana e o som passa longe do ideal em termos de reprodução de graves, médios e agudos. Pelo menos as vozes saem menos abafadas do que vimos no Moto G10, mas se busca um celular com som estéreo nessa faixa de preço, terá que recorrer aos rivais da Xiaomi. Pelo menos a Motorola ainda envia fone de ouvido na caixa, já que até a Samsung desistiu disso.
O Moto G30 vem equipado com o chip Snapdragon 662 aliado a 4 GB de RAM, sendo esta a mesma combinação presente no Moto G9 Play e G9 Power. Ficamos decepcionados com o desempenho multitarefas no G10 e podemos dizer que o G30 também poderia ser melhor. Ele até consegue segurar uma quantidade razoável de apps abertos em segundo plano, mas já vimos melhores da Motorola em nosso teste.

Em benchmarks não há o que reclamar, já que o G30 conquista a mesma pontuação que outros com mesmo hardware. No caso do AnTuTu temos uma média de 170 mil pontos, sendo 20% a mais do que o Moto G10.